Saúde mental e educação

O tema da saúde mental está intrinsecamente relacionado à educação. Em decorrência da universalização da educação básica no Brasil, as escolas representam o ambiente em que crianças e jovens passam boa parte dos seus dias. É nelas que, além de aprender os conteúdos programáticos, os estudantes exercitam habilidades sociais e emocionais e o convívio em coletividade. Ademais, a Constituição brasileira aponta as escolas como lugares indicados para a promoção da saúde através da educação.

E o que é saúde mental?

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), saúde mental pode ser definida como estado de bem-estar em que o indivíduo é capaz de utilizar suas próprias habilidades para enfrentar os estresses cotidianos, ser produtivo e contribuir com a sua comunidade. Em relação às crianças e adolescentes, o conceito de saúde mental implica pensar os aspectos do desenvolvimento social, cognitivo e emocional, tais como: autoestima, capacidade de lidar com pensamentos e emoções e estabelecimento de vínculos e relações.

Papel da escola na promoção da saúde mental

Por concentrar crianças e adolescentes em formação, a escola representa local estratégico para trabalhar políticas públicas na atenção à saúde mental. Os altos índices de depressão, transtornos de ansiedade, automutilação e mesmo de suicídios têm exigido ações efetivas de conscientização e de acolhimento.

Em primeiro lugar, a escola deve oferecer um ambiente saudável, colaborativo, acolhedor e livre de preconceitos. Algumas pressões por resultados, competitividade e bullying, prejudiciais ao equilíbrio mental, podem partir da própria organização da instituição de ensino. Portanto, cabe o combate diário a essas estruturas. Outro ponto é a implementação de condutas que objetivem a prevenção e a promoção de saúde mental, bem como a geração de ações protetivas e de redução de riscos.

Canal aberto para o diálogo

Por meio da educação, deve ser aberto um canal de diálogo sobre o tema. A depender das faixas etárias, a equipe pedagógica pode buscar abordagens seguras para falar sobre a importância de lidar com as emoções e de procurar ajuda em determinados momentos. Instigar a curiosidade dos estudantes em pesquisar e falar sobre a temática, trazendo informações, relatos e diminuindo o tabu em relação à saúde mental, também são boas estratégias que podem contribuir para promover o debate.

Qualificação profissional

Os profissionais da educação também devem passar por capacitações que os tornem aptos a trabalhar o tema da saúde mental não só com os estudantes, mas também com os pais e responsáveis. A equipe pedagógica, incluindo psicopedagogos e psicólogos, precisa estar preparada para identificar algumas situações, realizar abordagem adequada e os encaminhamentos necessários.

Atividades que favoreçam o desenvolvimento de habilidades socioemocionais

Ao invés de investir apenas em habilidades técnicas, a escola pode ser uma grande incentivadora do desenvolvimento de algumas competências socioemocionais. Trabalhar a habilidade de comunicação, por exemplo, é fundamental para que os estudantes consigam expor claramente seus pensamentos e ainda ajuda na compreensão do outro, o que gera empatia. Já o trabalho com a inteligência emocional, conduz as crianças e os adolescentes a um maior controle de suas emoções, aprendendo a lidar com elas de forma saudável e madura.

Acompanhamento constante

O acompanhamento contínuo da trajetória acadêmica de cada estudante é fundamental para o êxito do processo educacional. E, quando se trata de saúde mental, as avaliações qualitativas apresentam um panorama importante acerca de comportamentos, desenvolvimento cognitivo e social, desempenho em atividade individuais, grupais e na relação estabelecida com os diversos sistemas que compõe o ambiente escolar. Ou seja, acompanhar de perto o processo singular de cada estudante possibilita uma maior percepção de indícios sobre alguma questão que venha a impactar em sua saúde mental.

E como uma solução tecnológica integrada é capaz de contribuir para a saúde mental nas escolas?

Primeiro, através da possibilidade de abertura de diversos canais de comunicação entre estudantes, educadores, pais e responsáveis. A Plataforma Sagres disponibiliza o SAGRES Social, uma plataforma que visa aperfeiçoar a comunicação através da criação de grupos e comunidades existentes no ambiente acadêmico, bem como facilita a troca de mensagens e conteúdos entre seus pares. Esse recurso favorece a disseminação de informações educativas acerca de diversos temas importantes para o dia a dia escolar, a saúde mental está entre eles.

Outra ferramenta importante disponibilizada pela Plataforma Sagres é o SAGRES Diário que fornece registros do acompanhamento constante da trajetória dos estudantes, desde notas até as avaliações de cunho mais qualitativo. Tem interesse em conhecer mais sobre esse sistema que vem revolucionando a forma de gerir as instituições de ensino? Acesse!

Compartilhar: